KBB - Cotação de carros - logo
PUB
Página principalNotíciasDicas
Partilhar

A história do DS

A DS é a marca premium do grupo PSA Peugeot Citroën. Mas embora relativamente recente, tem raízes que remontam a 1955 com o icónico “boca de sapo”.


O Citroën DS foi criado em 1955 como um veículo premium da marca francesa e teve uma primeira vida até 1975. Em 2009, essa linha de carros de luxo foi reativada com o Citroën DS3. Em 2014, o grupo PSA foi mais além e decidiu separar a DS da Citroën, tornando-a uma marca premium independente com um novo emblema, um DS estilizado que substituiu o duplo chevron da Citroën. O DS3 era uma continuação do Citroën DS3, só se diferenciando pelo logótipo.

O primeiro modelo diferente da nova marca foi o DS5, lançado em Julho de 2015. Um carro concebido para dar um toque de classe à condução do dia-a-dia. Mas será tão icónico como o seu antecessor da década de 50 do século passado?

Para o descobrir, pusemos um DS5 lado a lado com um Citroën DS com mais de 60 anos. O Citroën DS de 1961, apesar de parecer grande e robusto, é na verdade bastante delicado, com vários botões em baquelite, janelas de aspeto frágil e um tejadilho em fibra de vidro. O segundo, um DS5 recente, uma luxuosa berlina do segmento D, apresenta um interior moderno e a mais avançada tecnologia do grupo PSA mas, apesar de ter um aspeto imponente, não arrebata corações à primeira vista. Na verdade, a nova marca premium independente DS não pretendeu emular o visual do modelo do século passado; apenas o seu espírito.

O Citroën DS original é um verdadeiro ícone de estilo e tecnologia, e escolher o seu nome para um novo modelo foi um lance arriscado. Quando a Citroën decidiu ressuscitar a linha da deusa (em francês, DS pronuncia-se “déesse”, deusa) com um hatchback de 3 portas, o Citroën DS3, muitos puristas ficaram chocados: ao contrário do Mini e do Fiat 500, também recentemente ressuscitados, o novo Citroën DS não se parecia com o original - nem na forma, nem no visual.

A Toyota, quando decidiu ter uma marca de luxo no grupo, criou a Lexus. O mesmo fez a Nissan ao instituir a Infinity. Isto é, a partir do zero, foram construindo a imagem desses emblemas. Já o grupo PSA escolheu outra via para atingir o mesmo fim: no centenário da Citroën, pegou na linha DS, que já tinha uma aura de sofisticação, e tornou-a uma marca independente. Com a vantagem de uma reputação de 60 anos e o inconveniente da associação da DS à “mãe” Citroën. Por isso só aos poucos é que a DS tem vindo a ganhar personalidade própria e a afirmar-se no mercado como um emblema de carros de luxo como os Citroën DS originais. Hoje, o grupo PSA engloba três marcas distintas: Peugeot, Citroën e DS. Como explicaram responsáveis do PSA: “Quisemos, como todos os outros grupos, entrar no segmento premium com uma marca exclusiva de luxo.”

Isso já foi conseguido e a actual gama da DS inclui um DS3 (segmento B premium), DS4 (segmento C premium), DS5 (segmento D premium) e o recente DS7 Crossback (SUV premium). Mas falta ainda criar um ícone. Isso, porém, não depende só dos designers e da vontade da marca, mas de um conjunto de circunstâncias, difíceis ou impossíveis de definir, que faça com que um veículo da nova marca DS alcance o prestígio dos icónicos Citroën DS “boca de sapo”.

Partilhar

Artigos Recentes

PUB
PUB

Descubra já o preço do seu carro novo ou usado

  • Citadino

  • Utilitário

  • Sedan

  • Carrinha

  • Monovolume

  • SUV/TT

  • Desportivo/Coupé

  • Cabrio

  • Luxo

  • Híbrido/Eléctrico

PUB